1 mês

Hoje faz 1 mês que cheguei nesse mundo e já tem muita coisa que eu aprendi.

Sei que a mamãe tem sempre um mamá quentinho para me dar.

Aprendi que o melhor lugar para dormir é de bruços no peito do papai.

Descobri que pimenta é um condimento, mas também é o nome da nossa cachorrinha.

Já sei que minhas irmãs adoram me levar para dar uma voltinha pela casa.

Em 1 mês eu aprendi que a voz da mamãe é linda quando ela canta, que os braços do papai são os melhores na hora do banho, que minhas roupas estão limpas e arrumadas graças às minhas irmãzinhas e que meu bercinho é uma delícia para dormir

Nesse meu primeiro mês eu descobri que sempre vem alguém me pegar no colo quando eu choro, que quando as luzes se apagam eu devo dormir e que lá fora tudo é muito ensolarado.

Agora eu sei que minhas bochechas são muito apertáveis, que minha barriguinha é muito beijável e que tomar banho de banheira é uma delícia.

Eu aprendi que as pessoas têm cheiro e voz diferentes, mas todas me pegam no colo com o mesmo carinho.

Eu aprendi que quando eu sorrio todos ficam encantados, mas quando eu choro ninguém fica bravo comigo e todos me ajudam a me acalmar.

Aprendi que 1 mês é bastante tempo, mas é tambem só o começo: ainda tenho tempo para aprender muita coisa…

Hoje, aos 30, ela é melhor que aos 18 (nem Balzac poderia prever)


Aos 18 ela se perguntava o que os outros achavam dela. Hoje ela não se importa com o que você pensa, mas se dispõe, de coração, a te ouvir.
Aos 18, ela assiste a um filme chato com você. Hoje, aos 30, ela arruma outra coisa para fazer, e geralmente coisa mais divertida.

Aos 18, ela tinha várias amigas. Aos 30 ela só tem as melhores.

Aos 18, ela não sabia se vestir, não usava saltos ou batom vermelho. Hoje ela pode sair de jeans e tênis ou de longo e estará linda. Ela sabe que o melhor look é sentir-se bem.

Aos 18, ela não sabia ser mãe. Aos 30 ela continua não sabendo. Mas aprendeu que nenhuma mãe sabe, elas só sentem.

Aos 18, ela achava que Deus estava na igreja. Hoje, aos 30, ela tem certeza de que Ele está lá. E também está dentro dela, no abraço das filhas, no telefonema de sua mãe, no alimento na mesa.

Aos 18, ela não brigava, não falava, não resmungava. Aos 30, ela canta.

Aos 18, ela não saia do próprio mundo. Hoje ela já viajou para outro país, já andou de avião, de barco, de trem; já ficou loira; aprendeu a dirigir, já foi pra balada (e descobriu que prefere Netflix), já fez compras pela internet e dobrou a lista de livros que quer ler.

Aos 18 ela queria ir para a faculdade. Agora ela pensa no mestrado.

Aos 18 ela achava que ainda tinha muito tempo. Aos 30 ela sabe que o tempo é proporcional à importância que você dá aos fatos.

Nem Balzac poderia prever: hoje, aos 30, ela é melhor que aos 18. E vai continuar melhorando…

Chocolate não pode

Nasceu. Linda! Chora muito. (Ela não, você!). Recebe visita, tira foto, dá mamá. Sangue. Remédio. Dor. Mais visita, mais foto, mais mamá. Mais remédio, mais dor. Doem os seios, dói a barriga, doem os pontos, dói o coração de alegria. Alta do hospital: não pode pintar o cabelo, não pode tomar refrigerante, café só uma vez ao dia, não pode comer chocolate. Não pode comer chocolate? Esse vai ser difícil…
Em casa, mais visitas. Ela é linda. Põe para arrotar. Troca a fralda. Marca o pediatra. Teste do pezinho. Mais mamá. Faz xixi na cama. E não pode comer chocolate…
Lava roupa suja. Come sushi, come hambúrguer, come pizza. Tudo frio. Delícia. Visitas. Fotos. “Memória insuficiente”. Mas já? Ela só tem alguns dias de vida! E ainda não pode comer chocolate…
Salto alto. Dormir de bruços. Lente de contato. Bermuda jeans. Já consigo ver meus pés! Que vontade de comer chocolate…
Noites em claro. Choro. Cocô explosivo. Caiu o umbigo. Mais fralda suja. Ensaio newborn. Chora para mamar. Chora para arrotar. Chora pedindo colo. Quer um chocolate?
— Chocolate não pode!
Não pode comer chocolate, mas pode morder uma barriguinha gorducha. Pode babar quando abre um sorrisão. Pode ressuscitar todo repertório de músicas infantis. Pode ouvir o tempo todo “Ela é linda!” Pode alimentá-la com seu próprio leite. Pode tirar milhões de fotos. Pode sonhar acordada com a mulher incrível que ela vai se tornar!
Mesmo que não possa comer chocolate…