[RESENHA] 60 dias de neblina

60 dias de neblina é o primeiro livro da escritora Rafaela Carvalho e foi publicado de forma independente, em 2017, pela Editora Máquina de Escrever.

O livro reúne crônicas da vida familiar que ora narram o dia a dia doméstico, ora trazem reflexões sobre a maternidade e a vida. Meus textos favoritos são “O ladrão da felicidade”, “As mães que eu sou” e “Jamais entenderão”. Rafaela tem o dom das palavras e consegue tocar o coração do leitor (seja mãe ou não) de uma forma única e singela. Os textos possuem linguagem simples e direta. Alguns são mais emotivos e cativantes, outros possuem um tom cômico, porém todos têm em comum a transparência ao mostrar a maternidade (e o casamento) sem máscaras, de modo real e livre das fórmulas mágicas sobre como criar os filhos que só funcionam na televisão.

Sobre o livro em si, confesso que não gostei muito da capa. A ilustração é linda, óbvio, mas o título ficou sem destaque no desenho e acho que não traduz toda doçura e leveza que tem por trás das páginas. Achei muito simples talvez pelo fato de ter só duas cores, senti a combinação de azul e branco muito fria e esse livro é puro calor e amor. As páginas são de qualidade razoável e são cinzentas, lembrando um pouco páginas de jornal, embora com gramatura bem melhor.

Rafaela Carvalho tem 4 filhos e mora nos EUA com a família. Ela é a mãe por trás do @a.maternidade e já falei dela nesse post AQUI. Apaixonada pelos livros e pelas minhas filhas como sou, esse livro possui diversos trechos com os quais eu me identifico de ponta a ponta, não só pela simplicidade e beleza do dia a dia que ela consegue captar tão bem, mas também pela doçura e lealdade com as quais ela fala sobre a maternidade sem rótulos.

Se não sabe se esse livro vale a pena ou não, dê uma passadinha no instagram dela para conferir os textos que postados por lá. Mas eu já adianto: você vai amar!

Anúncios

O que muda na vida de um casal quando chega um bebê e como manter o casamento com tanta reviravolta

Antes havia mais saídas para comer fora, hoje pedimos mais delivery.

Antes, a primeira parada no shopping era na livraria, agora é no Espaço família para alugar o .carrinho de bebê

Antes nossas gavetas não tinham travas e nosso chão não era coberto de EVA colorido. Nossos dias não eram tão coloridos…

Antes as noites eram contínuas. Hoje, mesmo que ela não mais acorde de madrugada, nós acordamos o tempo todo para verificar se ela está com coberta.

Antes os boletos nos assustavam, agora são os resfriados e as febres o verdadeiro bicho papão.

Antes o namoro era livre, agora só depois que o bebê dorme.

Antes era passeio na rua de mãos dadas, agora é você carrega o bebê e eu levo a bolsa.

Antes, miojo pro almoço no dia de preguiça. Agora, legumes e vegetais todos os dias.

Antes, comida quente. Agora, você come primeiro enquanto eu seguro o bebê, depois a gente reveza.

Para tudo a gente reveza: trocar de roupa, trabalhar, tomar banho, escovar os dentes, trocar fraldas, dar mamá…

A vida antes do bebê é fazer tudo a dois, depois de um bebê é um eterno revezamento.

Como manter-se unidos revezando o tempo todo com o marido? Nas brechas, nas trocas. “Você carrega o bebê hoje, amor? Estou com dor nas costas” “Claro, gato, te faço também uma massagem antes de dormir.”

“Trouxe a mamadeira para você dar pra ela. E também um chazinho que sei que você gosta de tomar antes de deitar.”

“Amor, vou tomar banho. Você faz ela dormir hoje?” “Claro, mas não demora… (carinha sensual)”

“Fiz a mistura que você gosta e o seu prato, para você comer quentinho. Eu fico com o bebê primeiro.”

É assim, nos detalhes e no diálogo que se consegue manter um relacionamento com um bebê pequeno. Exceto por amamentar no peito, todas as outras funções podem e devem ser desempenhadas pelos dois. E tão importante quanto isso é manter o carinho na hora do revezamento.

Pessoas que me inspiram

Seja na no modo de levar a maternidade, a vida, ou como gerenciam suas resenhas literárias, eu tenho um rol de pessoas que me inspiram. Diferente dos ídolos, essa pessoas, mulheres, conduzem a vida e realizam seu trabalho de modo que eu me sinto próxima a elas e estão sempre no meu link de favoritos para acesso rápido. Aqui segue minha lista de inspirações para você se inspirar também:

Literatura

Além da Capa (Thaís Inocêncio e Bruno Freitas)

Devaneios de papel (Stephanie Bertram)

Impressões de uma leitora (Maria Luiza)

Juliescreveu (Julie)

Resenhando sonhos (Tamirez)

Livros da Nati (Nati Amend)

Nick Mafra

All about that book (Maíra Sigwalt)

Ariel Bisset

Book Adict (Duda Menezes)

Estante Torta (Camila Guerra)

Ler antes de morrer (Isabela Lubrano)

Literature-se (Mell Ferraz)

Nuvem literária (Ju Cirqueira)

Redemunhando (Natasha Hennemann)

TLT (Tatiana Feltrim)

 

Maternidade

Mãe de 04 (Juliana)

A maternidade (Rafaela Carvalho)

E as criança? (Karol Araújo)

Maezice (Ananda Urias)

Mochilinha e Violão (Luiza Nazareth)

 

Outros assuntos

Juny pelo mundo (Juny e Leo Rios) – Dicas de viagem

Marília não pode parar (Marília liberal) – Vida saudável

Me poupe (Nathália Arcuri) – Finanças

Primeiro Rabisco (Marina Viabone) – Lettering

As mães

Ana Carolina decidiu engravidar novamente, após perder sua primeira filha.
Bia é mãe de menino e sabe tudo sobre minecraft.
Cíntia é professora e trata seus alunos com o mesmo carinho com que cuida dos filhos.
A filha da Diane tem AME.
Érika decidiu que seu filho não terá berço e dormirá num colchão no chão, seguindo o método Montessori.
Fabiane está grávida e mora num trailler com o marido e os 3 filhos.
Gabriela trabalha fora o dia todo e deixa sua bebê na creche.
Heloisa acabou de descobrir que está grávida de seu primeiro bebê.
Juliana decidiu engravidar novamente depois de 10 anos.
Karol acha que não tem problema dar alimentos industrializados para crianças..
O filho de Luciana dorme num quarto só dele desde que nasceu.
Mari foi presa e apanhou dos policiais com seu filho de 2 meses nos braços.
A filha de Nati só se alimenta de PANCs.
Priscila tem 3 meninos, Rafaela tem 3 meninas.
Sheila decidiu deixar o emprego para cuidar de suas filhas.
Tatiana ficou grávida aos 16, Valéria aos 39.

Você não tem nenhum filho e julga todas elas.

Você tem filhos e “se esquece” do tanto de julgamento que há na maternagem alheia e julga também.

Mais empatia, mais amor. Não importa em qual filosofia elas acreditam, onde moram, quantos filhos ou anos elas têm. Só importa que toda mãe é a melhor que poderia ser, são exatamente o que seus filhos precisam e ninguém está mais capacitado do que elas a decidir sobre a criação de suas crianças. Todo bebê nasce apaixonado pela mãe e toda mãe defenderá sempre com unhas e dentes sua cria.

Em minha sala não há janelas

599454_341892252560137_943714491_n

Laís e Clara na Janela, em 2012

O sol não entra na minha sala. A luz que existe é produzida artificialmente. Não há penumbras, não há sombras e nem movimentos produzidos pelos brilhos solares.
O calor não sai da minha sala. O ar não circula, o mormaço sufoca, os germes multiplicam-se. Tudo é quente quando lá fora é fresco. Tudo ferve quando lá fora esquenta.
Não tem cheiro na minha sala. Não há brisa, fuligem ou tempestade. Os perfumes não se espalham, o aroma não se expande e o vento nunca me alcança.
E essa sala é meu destino todos os dias. Ela devora um terço do meu dia…
Longe do sol e das sombras, longe da brisa e do frescor, sem vento e sem minhas meninas… minhas janelas!
Em minha sala não há janelas.

Júlia

19942747_1426096704139681_1211914356039515085_o

JÚ(não tenha pressa de crescer)LIA
JÚ(seu sorriso banguela me encanta)LIA
JÚ(tempo, seu vigarista, passe mais devagar)LIA
JÚ(vou chorar de saudades quando vir suas fotos de bebê)LIA
JÚ(sempre vou achar que poderia ter aproveitado mais)LIA
JÚ(seja sempre a melhor versão de si mesma)LIA
JÚ(não tenha medo de crescer)LIA
JÚ(você sempre será meu bebê)LIA

Pequenas conquistas

Foram dezenas de alunos competindo! A maioria deles mais velhos e mesmo assim ela conseguiu.

Cada professor fez uma prova eliminatória em sala de aula e todos os alunos do 5º ao 8º ano (de 10 até 13 anos de idade) foram submetidos a uma avaliação matemática com exercícios de adição, subtração, multiplicação e divisão. O objetivo era selecionar um aluno que fosse o mais rápido e eficaz na resolução das operações para a competição Matemática Vanguarda.

Clara e a mamãe - Matemática Vanguarda

Clara e eu brincando de selfie com a varinha de Harry Potter que ela fez para mim

Ela só tem 10 anos e estava fazendo o teste pela primeira vez. Na primeira prova, acertou 85% dos exercícios e foi classificada para um segundo teste. Neste, acertou 95% das questões e teve o melhor desempenho da sua turma. Os 2 melhores alunos de cada sala iriam fazer um terceiro teste no qual todos competiriam de igual para igual.

Mais de 20 candidatos foram selecionados e fizeram a última prova. Ela ficou em 2º lugar. Na frente de diversos alunos mais velhos e com anos a mais de estudos do que ela. Ela achou o resultado “normal”. A mãe dela surtou de alegria!

É muito fácil valorizarmos as conquistas das crianças quando são pequenininhas: a primeira palavra, os primeiros passinhos, a primeira noite inteira dormida. Porém, conforme eles vão crescendo, as pequenas vitórias do dia a dia vão ficando menos frequentes. Mas isso não significa que são menos importantes.

Aliás, é o contrário. Justamente por haver menos momentos marcantes em nossa vida conforme vamos crescendo é que cada conquista deve ser comemorada, e exaltada, e elogiada, e fotografada! Assim como fazemos com os bebês!

Clara - Matemática Vanguarda

Clara, 10 anos, fazendo pose de intelectual

Então, esta, Clara, é a minha pequena homenagem à minha pequena notável! Parabéns pelo desempenho no teste! Você não ganhou uma faixa comemorativa com seu nome e foto da escola, mas te dou divulgação pública aqui, pela conquista, pelo esforço, pela naturalidade de achar que não foi nada de mais. Que todas as crianças possam ter suas conquistas celebradas pela família, seja com alguns meses de vida, seja depois dos 18 anos…

Para educar crianças feministas

Aqui estão os pontos principais do livro “Para educar crianças feministas”, da autora Chimamanda Ngozi Adichie. Ela escreveu esse texto, em formato de carta, para uma amiga cuja filha havia acabado de nascer. São conselhos e dicas de como educar crianças (meninos e meninas) feministas nos dias de hoje:

  1. Seja uma pessoa completa. Antes de ser mãe, você é mulher. Não se limite pela maternidade, tenha hobbys, cuide de você mesma. Só estando bem consigo mesma, você conseguirá estar plena para seu filho;
  2. Inclua o pai na criação do filho. Ele deve fazer tudo o que a biologia permite – ou seja, tudo, menos amamentar;
  3. Nunca diga à criança para fazer ou deixar de fazer alguma coisa “porque você é menina” ou “porque isso não é coisa de homem”. Esses argumentos nunca serão razão para nada. Jamais;
  4. Ensine-a que não existe Feminismo Leve: ou você acredita na plena igualdade entre homens e mulheres, ou não;
  5. Ensine-a a ler. Ensine o gosto pelos livros. A melhor maneira é pelo exemplo;
  6. Ensine-a a questionar a linguagem, pois é nela que está depositada os nossos preconceitos, crenças infundadas e pressupostos sem embasamento;
  7. Nunca fale de casamento como uma realização. Encontre formas de deixar claro que o matrimônio não é uma realização nem algo a que ela deva aspirar. Um casamento pode ser feliz ou infeliz, mas não é uma realização;
  8. Ensine-a a não se preocupar em agradar aos outros. Em vez disso, ensine-a a ser honesta, bondosa e corajosa. Incentive-a a expor suas opiniões, dizer o que sente, a falar com sinceridade. E lembre-se de elogiá-la quando ela agir assim, principalmente quando ela tomar uma posição que é difícil ou impopular, mas que é a posição sincera dela;
  9. Dê a ela um senso de identidade. Faça com que ela, ao crescer, se orgulhe de ser, entre outras coisas, uma mulher brasileira. Ensine-a a abraçar as partes bonitas da cultura e ensine-a a rejeitar as que não são;
  10. Esteja atenta às atividades relacionadas à aparência dela e não deixe que ela se limite a elas;
  11. Ensine-a a questionar o uso seletivo da biologia como “razão” para normas sociais em nossa cultura;
  12. Converse com ela sobre sexo desde cedo. Provavelmente será um pouco constrangedor, mas é necessário;
  13. Dê apoio aos romances. Eles inevitavelmente irão acontecer;
  14. Ao lhe ensinar sobre opressão, tenha o cuidado de não converter os oprimidos em santos;
  15. Ensine-a sobre a diferença, tornando-a algo comum. E isso não para ser justa ou boazinha, mas simplesmente para ser humana e prática.

Laís de cordel


Vou contar uma história

Da menina Laís

Ela é barrigudinha

E mesmo assim é feliz

Come muito chocolate

E sempre pede bis

Ela é muito criativa

E adora fazer arte

Cola, papel e tesoura

Tudo da sua vida faz parte

Mesmo quando está triste

Um carinho ela reparte

Suas bochechas são gorduchas

E sua pele é bem branquinha

Ela gosta de ouvir música

E desenhar muitas roupinhas

Come muita melancia,

Mas cospe fora as sementinhas

Ela é muito vaidosa

Na cabeça usa sempre tiara

Mas do que ela gosta mesmo

É de implicar com a irmã Clara

Está sempre muito cheirosa

Sair sem batom é coisa rara

Às vezes, é preguiçosa

Com a voz muito sedutora

Diz que quando crescer

De artes vai ser professora

Com a cabeça sempre nas nuvens

Nunca deixa de ser sonhadora

Da água ela gosta,

Piscina, chuveiro ou mar

Chuva ou bolhas de sabão

Tudo serve pra brincar

Só não brinca na hora de sentir

Vive aprendendo a amar

Clara cordelista


​Vou te contar uma história

De uma menina barriguda

Ela tem 2 irmãs

E nenhuma é nariguda

Muito embora, às vezes,

Elas sejam liguarudas

O nome dela é Clara

E ela adora perguntar

Por que a nuvem chora?

Onde acaba o mar?

Quantos anos tem o papa?

O que significa amar?

Seus cabelos são escuros

E seus olhos curiosos

Ela ronca quando dorme

E seus sonhos são medrosos

Mas assim que ela acorda

Ganha focos corajosos

Ela tem muitas amigas

E adora os animais

Não dispensa a Netflix

E vê vídeos no YouTube bem legais

Quer ser médica quando grande

Pra ajudar o mundo cada vez mais

Está sempre ansiosa

Pra saber sobre o futuro

Ela tem pressa de viver

Quer atravessar todos os muros

Nunca deixa de lutar

Mesmo tendo medo do escuro

Muitos doces ela come

Mas também vive agitada

Vai sempre bem na escola

Nunca erra a tabuada

Apesar de tagarela

Ela é muito amada